terça-feira, 4 de abril de 2017

Há uma primeira vez para tudo.

  Resultado de imagem para crying in bed depression weheartit

  Devia estar à porta do MEO Arena. Devia, mas não estou. Daqui a umas horas, o Bruno Mars cantará músicas que marcaram fortemente a minha adolescência, e eu não estarei lá. Não estarei porque sou estúpida, porque estou em baixo, porque não consigo aguentar tudo o que se tem passado na minha vida. Acima de tudo, porque coloco a fasquia demasiado alta, mesmo tendo a noção de que não passo da porra de um fracasso.
  Ser cuidador de alguém com alzheimer é uma tarefa... Difícil. E não acho que seja recompensadora. Porque não vejo a minha avó recuperar a sua essência, simplesmente esquece-se de que a ajudo e grita coisas como "Deixas-me sempre sozinha!" ou "Nunca me ajudas!" mal viro costas durante cinco minutos. Por que raio é que eu e a minha mãe estamos a travar esta batalha sozinhas? Porquê!? Eu sei que a vida não é justa, mas se as coisas boas são sempre divididas por x pessoas, essas também se deviam aproximar nestes momentos terríveis. Não as y, aquelas que não querem tanto de bom, mas sim apoiar as outras no pior. Mas as x fogem logo, oh, fogem mesmo...!
  Já nem estou a escrever um texto coerente. Só escrevo porcaria. Não é que antes escrevesse posts melhores, mas vocês entendem aquilo que quero dizer.
  Os meus dias são passados a tomar conta da minha avó, a chorar na cama e, quando tenho força, a fazer reportagens, entrevistas... Falto a imensas aulas e sou uma merda.
  O que hei de fazer? Não sei... Pode ser que amanhã, o Dia do Jornalismo, me dê algumas respostas e alegria para continuar.

3 comentários:

  1. Não é bom para ti nem para ninguém que insistas em ver-te com tão maus olhos... só te estás a prejudicar, Mia. Tens uma tarefa muito difícil em mãos, mas não podes pensar que és a única pessoa a passar por coisas assim e não te podes deixar ir abaixo dessa maneira. É o pior que podes fazer por ti própria, acredita. Todos nós temos valor e tu também o tens, só não estás a conseguir vê-lo. Queixo para cima, miúda.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Hey, tem calma, respira e lê com atenção o que vou escrever, por favor!
    Tu és uma pessoa adorável! Super bondosa e que faz de tudo para melhorar a vida dos outros, mas talvez, por uma vez, devas melhorar a TUA vida! Pensar em TI! Eu estou fartinha de te dizer que tens mesmo de trabalhar a tua autoestima, tu és uma pessoa incrível, quem me dera que conseguisses ver isso!
    Depois, tu e a tua mãe, nunca puseram a hipótese de arranjar alguém para cuidar da tua avó? Já não falo de um lar porque calculo que não queiram estar longe dela, mas uma enfermeira que pudesse cuidar dela a tempo inteiro e deixar-te um pouco mais livre!
    O que tu tens de ter presente Mia é que tu vales tanto como qualquer outra pessoa, e se os outros conseguem resolver os seus problemas tu também consegues, mas tens mesmo de lutar por isso! E acima de tudo, foca-te nos pequenos pontos positivos! Negatividade só atrai mais negatividade!

    ResponderEliminar
  3. A minha avó também tem alzeihmer... Já passámos por todas as fases acho eu... Achamos que já estará quase a acabar o sofrimento (dela e nosso) porque Neste momento ela já não práticamente não responde, está quase sempre apática, na cama, sem se mexer demasiado, não tem vontade de comer... Acredita que há dias em que pedíamos o stress outra vez, já não sabemos o que é pior...
    Se isto ajudar a entender melhor a doença, cá vai..
    http://healinglaffirmations.blogspot.pt/2014/04/self-healing-through-affirmations-from.html?m=1

    ResponderEliminar